Make your own free website on Tripod.com

Zuim.com


Home
nossas fotos
Zuim Acha
Cifras ( Ministerio de Musica Anjos de Resgate)
Oracoes do dia
Textos com mensagens que falam do amor de Deus.
Mensagens que falam do amor de Deus II
Angustia suprema
Tudo sobre o movimento da Nova Era
Simbolos da Nova Era
Sobre o Ministerio de Musica Rainha da Paz!
Links favoritos
Contate-me
Genesis
Biblia on line
Genesis

Insira o contedo aqui Autor: Moiss, comumente aceito.
O LIVRO DAS ORIGENS
um registro da origem do nosso Universo, do gnero humano, do pecado, da redeno, da vida em famlia, da corrupo da sociedade, das naes, dos diferentes idiomas, da raa hebraica, etc.
Os primeiros captulos do livro tm estado continuamente sob fogo da crtica moderna, mas os fatos que apresentam, quando corretamente interpretados e entendidos, jamais tm sido negados.
No propsito do autor de Gnesis dar um relato detalhado da criao. Ele dedica somente um captulo a esse tema (s um esboo contendo alguns fatos fundamentais), enquanto dedica trinta e oito captulos histria do povo escolhido.
TEMA PRINCIPAL. O pecado do homem e os passos iniciais destinados sua redeno, mediante uma aliana divina feita com uma raa escolhida, cuja histria primitiva ali se descreve.
PALAVRA CHAVE. Comeo
PRIMEIRA PROMESSA MESSINICA, 3.15
SINOPSE
I. A histria da criao
(a) Do nosso Universo, 1:1-25
(b) Do homem, 1:26-31; 2:18-24
II. A histria do homem primitivo
(a) A tentao e a queda, a personalidade e o carter do tentador, o castigo do pecado, e a promessa do Redentor vindouro, cap. 3.
(b) A histria de Caim e Abel, cap. 4
(c) A genealogia e morte dos patriarcas, cap. 5
(d) Os sucessos relacionados com o dilvio, caps. 6-8
(e) A aliana do arco-ris e o pecado de No, cap. 9
(f) Os descendentes de No , cap. 10
(g) A confuso da lngua em l, cap. 11
III. A histria do povo escolhido
(1) A vida de Abrao
(a) Seu chamado divino, cap. 12
(b) A histria de Abrao e L, caps. 13-14
(c) As revelaes divinas e as promessas a Abrao, particularmente a promessa de um filho, da posse da Terra Santa, e de uma grande posteridade, caps. 15-17.
(d) Sua intercesso em favor das cidades da plancie, e a destruio delas, caps. 18-19
(e) Sua vida em Gerar, e o cumprimento da promessa de um filho no nascimento de Isaque, caps. 20-21
(f) A prova da sua obedincia por ocasio da ordem divina de sacrificar a Isaque, cap. 22
(2) A vida de Isaque
(a) Seu nascimento, 21.3
(b) Seu casamento, cap. 24
(c) O nascimento de seus filhos Jac e Esa, 25:20-26
(d) Seus ltimos anos, caps. 26-27
(3) A vida de Jac
(a) Sua astcia para adquirir o direito de primogenitura 27:1-29
(b) Sua viso da escada celestial, 28:10-22
(c) Os incidentes relacionados com o seu matrimnio e sua vida em Pad-Ar, caps. 29-31
(4) A vida de Esa
(5) A vida de Jos, os ltimos dias de Jac, e a descida ao Egito da famlia escolhida, caps. 37-50
NOME PREEMINENTES RELACIONADOS:
Ado e Eva, Caim e Abel
Abrao e L, Isaque e Ismael,
Esa e Jac, Jos e seus filhos.
CINCO GRANDES PERSONAGENS ESPIRITUAIS
(1) Enoque, o homem que "caminhou com Deus"
(2) No, o construtor da arca
(3) Abrao, o pai dos fiis
(4) Jac, o homem cuja vida foi transformada pela orao
(5) Jos, o filho de Jac, que de escravo se tornou em governador do Egito.
A LIO DAS IDADES. A Bblia comea com a humanidade arruinada:
- O paraso Perdido, cap. 3.
- A instituio do plano de salvao, cap. 3.
- A Bblia termina com a promessa cumprida: o paraso. Recuperado.
01-Gnesis Captulo : 1
1 No princpio criou Deus os cus e a terra.
2 A terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo, mas o Esprito de Deus pairava sobre a face das guas.
3 Disse Deus: haja luz. E houve luz.
4 Viu Deus que a luz era boa; e fez separao entre a luz e as trevas.
5 E Deus chamou luz dia, e s trevas noite. E foi a tarde e a manh, o dia primeiro.
6 E disse Deus: haja um firmamento no meio das guas, e haja separao entre guas e guas.
7 Fez, pois, Deus o firmamento, e separou as guas que estavam debaixo do firmamento das que estavam por cima do firmamento. E assim foi.
8 Chamou Deus ao firmamento cu. E foi a tarde e a manh, o dia segundo.
9 E disse Deus: Ajuntem-se num s lugar as guas que esto debaixo do cu, e aparea o elemento seco. E assim foi.
10 Chamou Deus ao elemento seco terra, e ao ajuntamento das guas mares. E viu Deus que isso era bom.
11 E disse Deus: Produza a terra relva, ervas que dem semente, e rvores frutferas que, segundo as suas espcies, dem fruto que tenha em si a sua semente, sobre a terra. E assim foi.
12 A terra, pois, produziu relva, ervas que davam semente segundo as suas espcies, e rvores que davam fruto que tinha em si a sua semente, segundo as suas espcies. E viu Deus que isso era bom.
13 E foi a tarde e a manh, o dia terceiro.
14 E disse Deus: haja luminares no firmamento do cu, para fazerem separao entre o dia e a noite; sejam eles para sinais e para estaes, e para dias e anos;
15 e sirvam de luminares no firmamento do cu, para alumiar a terra. E assim foi.
16 Deus, pois, fez os dois grandes luminares: o luminar maior para governar o dia, e o luminar menor para governar a noite; fez tambm as estrelas.
17 E Deus os ps no firmamento do cu para alumiar a terra,
18 para governar o dia e a noite, e para fazer separao entre a luz e as trevas. E viu Deus que isso era bom.
19 E foi a tarde e a manh, o dia quarto.
20 E disse Deus: Produzam as guas cardumes de seres viventes; e voem as aves acima da terra no firmamento do cu.
21 Criou, pois, Deus os monstros marinhos, e todos os seres viventes que se arrastavam, os quais as guas produziram abundantemente segundo as suas espcies; e toda ave que voa, segundo a sua espcie. E viu Deus que isso era bom.
22 Ento Deus os abenoou, dizendo: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei as guas dos mares; e multipliquem-se as aves sobre a terra.
23 E foi a tarde e a manh, o dia quinto.
24 E disse Deus: Produza a terra seres viventes segundo as suas espcies: animais domsticos, rpteis, e animais selvagens segundo as suas espcies. E assim foi.
25 Deus, pois, fez os animais selvagens segundo as suas espcies, e os animais domsticos segundo as suas espcies, e todos os rpteis da terra segundo as suas espcies. E viu Deus que isso era bom.
26 E disse Deus: Faamos o homem nossa imagem, conforme a nossa semelhana; domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do cu, sobre os animais domsticos, e sobre toda a terra, e sobre todo rptil que se arrasta sobre a terra.
27 Criou, pois, Deus o homem sua imagem; imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.
28 Ento Deus os abenoou e lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos; enchei a terra e sujeitai-a; i sobre os peixes do mar, sobre as aves do cu e sobre todos os animais que se arrastam sobre a terra.
29 Disse-lhes mais: Eis que vos tenho dado todas as ervas que produzem semente, as quais se acham sobre a face de toda a terra, bem como todas as rvores em que h fruto que d semente; ser-vos-o para mantimento.
30 E a todos os animais da terra, a todas as aves do cu e a todo ser vivente que se arrasta sobre a terra, tenho dado todas as ervas verdes como mantimento. E assim foi.
31 E viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom. E foi a tarde e a manh, o dia to. 01-Gnesis Captulo : 2
1 Assim foram acabados os cus e a terra, com todo o seu exrcito.
2 Ora, havendo Deus completado no dia stimo a obra que tinha feito, descansou nesse dia de toda a obra que fizera.
3 Abenoou Deus o stimo dia, e o santificou; porque nele descansou de toda a sua obra que criara e fizera.
4 Eis as origens dos cus e da terra, quando foram criados. No dia em que o Senhor Deus fez a terra e os cus
5 no havia ainda nenhuma planta do campo na terra, pois nenhuma erva do campo tinha ainda brotado; porque o Senhor Deus no tinha feito chover sobre a terra, nem havia homem para lavrar a terra.
6 Um vapor, porm, subia da terra, e regava toda a face da terra.
7 E formou o Senhor Deus o homem do p da terra, e soprou-lhe nas narinas o flego da vida; e o homem tornou-se alma vivente.
8 Ento plantou o Senhor Deus um jardim, da banda do oriente, no den; e ps ali o homem que tinha formado.
9 E o Senhor Deus fez brotar da terra toda qualidade de rvores agradveis vista e boas para comida, bem como a rvore da vida no meio do jardim, e a rvore do conhecimento do bem e do mal.
10 E saa um rio do den para regar o jardim; e dali se dividia e se tornava em quatro braos.
11 O nome do primeiro Pisom: este o que rodeia toda a terra de Havil, onde h ouro;
12 e o ouro dessa terra bom: ali h o bdlio, e a pedra de berilo.
13 O nome do segundo rio Giom: este o que rodeia toda a terra de Cuche.
14 O nome do terceiro rio Tigre: este o que corre pelo oriente da Assria. E o quarto rio o Eufrates.
15 Tomou, pois, o Senhor Deus o homem, e o ps no jardim do dem para o lavrar e guardar.
16 Ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda rvore do jardim podes comer livremente;
17 mas da rvore do conhecimento do bem e do mal, dessa no comers; porque no dia em que dela comeres, certamente morrers.
18 Disse mais o Senhor Deus: No bom que o homem esteja s; far-lhe-ei uma ajudadora que lhe seja idnea.
19 Da terra formou, pois, o Senhor Deus todos os animais o campo e todas as aves do cu, e os trouxe ao homem, para ver como lhes chamaria; e tudo o que o homem chamou a todo ser vivente, isso foi o seu nome.
20 Assim o homem deu nomes a todos os animais domsticos, s aves do cu e a todos os animais do campo; mas para o homem no se achava ajudadora idnea.
21 Ento o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre o homem, e este adormeceu; tomou-lhe, ento, uma das costelas, e fechou a carne em seu lugar;
22 e da costela que o Senhor Deus lhe tomara, formou a mulher e a trouxe ao homem.
23 Ento disse o homem: Esta agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; ela ser chamada varoa, porquanto do varo foi tomada.
24 Portanto deixar o homem a seu pai e a sua me, e unir-se- sua mulher, e sero uma s carne.
25 E ambos estavam nus, o homem e sua mulher; e no se envergonhavam.

01-Gnesis Captulo : 3
1 Ora, a serpente era o mais astuto de todos os animais do campo, que o Senhor Deus tinha feito. E esta disse mulher: assim que Deus disse: No comereis de toda rvore do jardim?
2 Respondeu a mulher serpente: Do fruto das rvores do jardim podemos comer,
3 mas do fruto da rvore que est no meio do jardim, disse Deus: No comereis dele, nem nele tocareis, para que no morrais.
4 Disse a serpente mulher: Certamente no morrereis.
5 Porque Deus sabe que no dia em que comerdes desse fruto, vossos olhos se abriro, e sereis como Deus, conhecendo o bem e o mal.
6 Ento, vendo a mulher que aquela rvore era boa para se comer, e agradvel aos olhos, e rvore desejvel para dar entendimento, tomou do seu fruto, comeu, e deu a seu marido, e ele tambm comeu.
7 Ento foram abertos os olhos de ambos, e conheceram que estavam nus; pelo que coseram folhas de figueira, e fizeram para si aventais.
8 E, ouvindo a voz do Senhor Deus, que passeava no jardim tardinha, esconderam-se o homem e sua mulher da presena do Senhor Deus, entre as rvores do jardim.
9 Mas chamou o Senhor Deus ao homem, e perguntou-lhe: Onde ests?
10 Respondeu-lhe o homem: Ouvi a tua voz no jardim e tive medo, porque estava nu; e escondi-me.
11 Deus perguntou-lhe mais: Quem te mostrou que estavas nu? Comeste da rvore de que te ordenei que no comesses?
12 Ao que respondeu o homem: A mulher que me deste por companheira deu-me a rvore, e eu comi.
13 Perguntou o Senhor Deus mulher: Que isto que fizeste? Respondeu a mulher: A serpente enganou-me, e eu comi.
14 Ento o Senhor Deus disse serpente: Porquanto fizeste isso, maldita sers tu dentre todos os animais domsticos, e dentre todos os animais do campo; sobre o teu ventre andars, e p comers todos os dias da tua vida.
15 Porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua descendncia e a sua descendncia; esta te ferir a cabea, e tu lhe ferirs o calcanhar.
16 E mulher disse: Multiplicarei grandemente a dor da tua conceio; em dor dars luz filhos; e o teu desejo ser para o teu marido, e ele te r.
17 E ao homem disse: Porquanto deste ouvidos voz de tua mulher, e comeste da rvore de que te ordenei dizendo: No comers dela; maldita a terra por tua causa; em fadiga comers dela todos os dias da tua vida.
18 Ela te produzir espinhos e abrolhos; e comers das ervas do campo.
19 Do suor do teu rosto comers o teu po, at que tornes terra, porque dela foste tomado; porquanto s p, e ao p tornars.
20 Chamou Ado sua mulher Eva, porque era a me de todos os viventes.
21 E o Senhor Deus fez tnicas de peles para Ado e sua mulher, e os vestiu.
22 Ento disse o Senhor Deus: Eis que o homem se tem tornado como um de ns, conhecendo o bem e o mal. Ora, no suceda que estenda a sua mo, e tome tambm da rvore da vida, e coma e viva eternamente.
23 O Senhor Deus, pois, o lanou fora do jardim do den para lavrar a terra, de que fora tomado.
24 E havendo lanado fora o homem, ps ao oriente do jardim do den os querubins, e uma espada flamejante que se volvia por todos os lados, para guardar o caminho da rvore da vida.
01-Gnesis Captulo : 4
1 Conheceu Ado a Eva, sua mulher; ela concebeu e, tendo dado luz a Caim, disse: Alcancei do Senhor um varo.
2 Tornou a dar luz a um filho - a seu irmo Abel. Abel foi pastor de ovelhas, e Caim foi lavrador da terra.
3 Ao cabo de dias trouxe Caim do fruto da terra uma oferta ao Senhor.
4 Abel tambm trouxe dos primognitos das suas ovelhas, e da sua gordura. Ora, atentou o Senhor para Abel e para a sua oferta,
5 mas para Caim e para a sua oferta no atentou. Pelo que irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o semblante.
6 Ento o Senhor perguntou a Caim: Por que te iraste? e por que est descado o teu semblante?
7 Porventura se procederes bem, no se h de levantar o teu semblante? e se no procederes bem, o pecado jaz porta, e sobre ti ser o seu desejo; mas sobre ele tu deves r.
8 Falou Caim com o seu irmo Abel. E, estando eles no campo, Caim
se levantou contra o seu irmo Abel, e o matou.
9 Perguntou, pois, o Senhor a Caim: Onde est Abel, teu irmo? Respondeu ele: No sei; sou eu o guarda do meu irmo?
10 E disse Deus: Que fizeste? A voz do sangue de teu irmo est clamando a mim desde a terra.
11 Agora maldito s tu desde a terra, que abriu a sua boca para da tua mo receber o sangue de teu irmo.
12 Quando lavrares a terra, no te dar mais a sua fora; fugitivo e vagabundo sers na terra.
13 Ento disse Caim ao Senhor: maior a minha punio do que a que eu possa suportar.
14 Eis que hoje me lanas da face da terra; tambm da tua presena ficarei escondido; serei fugitivo e vagabundo na terra; e qualquer que me encontrar matar-me-.
15 O Senhor, porm, lhe disse: Portanto quem matar a Caim, sete vezes sobre ele cair a vingana. E ps o Senhor um sinal em Caim, para que no o ferisse quem quer que o encontrasse.
16 Ento saiu Caim da presena do Senhor, e habitou na terra de Node, ao oriente do den.
17 Conheceu Caim a sua mulher, a qual concebeu, e deu luz a Enoque. Caim edificou uma cidade, e lhe deu o nome do filho, Enoque.
18 A Enoque nasceu Irade, e Irade gerou a Mejael, e Mejael gerou a Metusael, e Metusael gerou a Lameque.
19 Lameque tomou para si duas mulheres: o nome duma era Ada, e o nome da outra Zila.
20 E Ada deu luz a Jabal; este foi o pai dos que habitam em tendas e possuem gado.
21 O nome do seu irmo era Jubal; este foi o pai de todos os que tocam harpa e flauta.
22 A Zila tambm nasceu um filho, Tubal-Caim, fabricante de todo instrumento cortante de cobre e de ferro; e a irm de Tubal-Caim foi Naama.
23 Disse Lameque a suas mulheres: Ada e Zila, ouvi a minha voz; escutai, mulheres de Lameque, as minhas palavras; pois matei um homem por me ferir, e um mancebo por me pisar.
24 Se Caim h de ser vingado sete vezes, com certeza Lameque o ser setenta e sete vezes.
25 Tornou Ado a conhecer sua mulher, e ela deu luz um filho, a quem ps o nome de Sete; porque, disse ela, Deus me deu outro filho em lugar de Abel; porquanto Caim o matou.
26 A Sete tambm nasceu um filho, a quem ps o nome de Enos. Foi nesse tempo, que os homens comearam a invocar o nome do Senhor.
01-Gnesis Captulo : 5
1 Este o livro das geraes de Ado. No dia em que Deus criou o homem, semelhana de Deus o fez.
2 Homem e mulher os criou; e os abenoou, e os chamou pelo nome de homem, no dia em que foram criados.
3 Ado viveu cento e trinta anos, e gerou um filho sua semelhana, conforme a sua imagem, e ps-lhe o nome de Sete.
4 E foram os dias de Ado, depois que gerou a Sete, oitocentos anos; e gerou filhos e filhas.
5 Todos os dias que Ado viveu foram novecentos e trinta anos; e morreu.
6 Sete viveu cento e cinco anos, e gerou a Enos.
7 Viveu Sete, depois que gerou a Enos, oitocentos e sete anos; e gerou filhos e filhas.
8 Todos os dias de Sete foram novecentos e doze anos; e morreu.
9 Enos viveu noventa anos, e gerou a Quen.
10 viveu Enos, depois que gerou a Quen, oitocentos e quinze anos; e gerou filhos e filhas.
11 Todos os dias de Enos foram novecentos e cinco anos; e morreu.
12 Quen viveu setenta anos, e gerou a Maalalel.
13 Viveu Quen, depois que gerou a Maalalel, oitocentos e quarenta anos, e gerou filhos e filhas.
14 Todos os dias de Quen foram novecentos e dez anos; e morreu.
15 Maalalel viveu sessenta e cinco anos, e gerou a Jarede.
16 Viveu Maalalel, depois que gerou a Jarede, oitocentos e trinta anos; e gerou filhos e filhas.
17 Todos os dias de Maalalel foram oitocentos e noventa e cinco anos; e morreu.
18 Jarede viveu cento e sessenta e dois anos, e gerou a Enoque.
19 Viveu Jarede, depois que gerou a Enoque, oitocentos anos; e gerou filhos e filhas.
20 Todos os dias de Jarede foram novecentos e sessenta e dois anos; e morreu.
21 Enoque viveu sessenta e cinco anos, e gerou a Matusalm.
22 Andou Enoque com Deus, depois que gerou a Matusalm, trezentos anos; e gerou filhos e filhas.
23 Todos os dias de Enoque foram trezentos e sessenta e cinco anos;
24 Enoque andou com Deus; e no apareceu mais, porquanto Deus o tomou.
25 Matusalm viveu cento e oitenta e sete anos, e gerou a Lameque.
26 Viveu Matusalm, depois que gerou a Lameque, setecentos e oitenta e dois anos; e gerou filhos e filhas.
27 Todos os dias de Matusalm foram novecentos e sessenta e nove anos; e morreu.
28 Lameque viveu cento e oitenta e dois anos, e gerou um filho,
29 a quem chamou No, dizendo: Este nos consolar acerca de nossas obras e do trabalho de nossas mos, os quais provm da terra que o Senhor amaldioou.
30 Viveu Lameque, depois que gerou a No, quinhentos e noventa e cinco anos; e gerou filhos e filhas.
31 Todos os dias de Lameque foram setecentos e setenta e sete anos; e morreu.
32 E era No da idade de quinhentos anos; e gerou No a Sem, Co e Jaf.
01-Gnesis Captulo : 6
1 Sucedeu que, quando os homens comearam a multiplicar-se sobre a terra, e lhes nasceram filhas,
2 viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram.
3 Ento disse o Senhor: O meu Esprito no permanecer para sempre no homem, porquanto ele carne, mas os seus dias sero cento e vinte anos.
4 Naqueles dias estavam os nefilins na terra, e tambm depois, quando os filhos de Deus conheceram as filhas dos homens, as quais lhes deram filhos. Esses nefilins eram os valentes, os homens de renome, que houve na antigidade.
5 Viu o Senhor que era grande a maldade do homem na terra, e que toda a imaginao dos pensamentos de seu corao era m continuamente.
6 Ento arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem na terra, e isso lhe pesou no corao
7 E disse o Senhor: Destruirei da face da terra o homem que criei, tanto o homem como o animal, os rpteis e as aves do cu; porque me arrependo de os haver feito.
8 No, porm, achou graa aos olhos do Senhor.
9 Estas so as geraes de No. Era homem justo e perfeito em suas geraes, e andava com Deus.
10 Gerou No trs filhos: Sem, Co e Jaf.
11 A terra, porm, estava corrompida diante de Deus, e cheia de violncia.
12 Viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra.
13 Ento disse Deus a No: O fim de toda carne chegado perante mim; porque a terra est cheia da violncia dos homens; eis que os destruirei juntamente com a terra.
14 Faze para ti uma arca de madeira de gfer: fars compartimentos na arca, e a revestirs de betume por dentro e por fora.
15 Desta maneira a fars: o comprimento da arca ser de trezentos cvados, a sua largura de cinqenta e a sua altura de trinta.
16 Fars na arca uma janela e lhe dars um cvado de altura; e a porta da arca pors no seu lado; f-la-s com andares, baixo, segundo e terceiro.
17 Porque eis que eu trago o dilvio sobre a terra, para destruir, de debaixo do cu, toda a carne em que h esprito de vida; tudo o que h na terra expirar.
18 Mas contigo estabelecerei o meu pacto; entrars na arca, tu e contigo teus filhos, tua mulher e as mulheres de teus filhos.
19 De tudo o que vive, de toda a carne, dois de cada espcie, fars entrar na arca, para os conservares vivos contigo; macho e fmea sero.
20 Das aves segundo as suas espcies, do gado segundo as suas espcies, de todo rptil da terra segundo as suas espcies, dois de cada espcie viro a ti, para os conservares em vida.
21 Leva contigo de tudo o que se come, e ajunta-o para ti; e te ser para alimento, a ti e a eles.
22 Assim fez No; segundo tudo o que Deus lhe mandou, assim o fez.
01-Gnesis Captulo : 8
1 Deus lembrou-se de No, de todos os animais e de todo o gado, que estavam com ele na arca; e Deus fez passar um vento sobre a terra, e as guas comearam a diminuir.
2 Cerraram-se as fontes do abismo e as janelas do cu, e a chuva do cu se deteve;
3 as guas se foram retirando de sobre a terra; no fim de cento e cinqenta dias comearam a minguar.
4 No stimo ms, no dia dezessete do ms, repousou a arca sobre os montes de Arar.
5 E as guas foram minguando at o dcimo ms; no dcimo ms, no primeiro dia do ms, apareceram os cumes dos montes.
6 Ao cabo de quarenta dias, abriu No a janela que havia feito na arca;
7 soltou um corvo que, saindo, ia e voltava at que as guas se secaram de sobre a terra.
8 Depois soltou uma pomba, para ver se as guas tinham minguado de sobre a face da terra;
9 mas a pomba no achou onde pousar a planta do p, e voltou a ele para a arca; porque as guas ainda estavam sobre a face de toda a terra; e No, estendendo a mo, tomou-a e a recolheu consigo na arca.
10 Esperou ainda outros sete dias, e tornou a soltar a pomba fora da arca.
11 tardinha a pomba voltou para ele, e eis no seu bico uma folha verde de oliveira; assim soube No que as guas tinham minguado de sobre a terra.
12 Ento esperou ainda outros sete dias, e soltou a pomba; e esta no tornou mais a ele.
13 No ano seiscentos e um, no ms primeiro, no primeiro dia do ms, secaram-se as guas de sobre a terra. Ento No tirou a cobertura da arca: e olhou, e eis que a face a terra estava enxuta.
14 No segundo ms, aos vinte e sete dias do ms, a terra estava seca.
15 Ento falou Deus a No, dizendo:
16 Sai da arca, tu, e juntamente contigo tua mulher, teus filhos e as mulheres de teus filhos.
17 Todos os animais que esto contigo, de toda a carne, tanto aves como gado e todo rptil que se arrasta sobre a terra, traze-os para fora contigo; para que se reproduzam abundantemente na terra, frutifiquem e se multipliquem sobre a terra.
18 Ento saiu No, e com ele seus filhos, sua mulher e as mulheres de seus filhos;
19 todo animal, todo rptil e toda ave, tudo o que se move sobre a terra, segundo as suas famlias, saiu da arca.
20 Edificou No um altar ao Senhor; e tomou de todo animal limpo e de toda ave limpa, e ofereceu holocaustos sobre o altar.
21 Sentiu o Senhor o suave cheiro e disse em seu corao: No tornarei mais a amaldioar a terra por causa do homem; porque a imaginao do corao do homem m desde a sua meninice; nem tornarei mais a ferir todo vivente, como acabo de fazer.
22 Enquanto a terra durar, no deixar de haver sementeira e ceifa, frio e calor, vero e inverno, dia e noite.
01-Gnesis Captulo : 9
1 Abenoou Deus a No e a seus filhos, e disse-lhes: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra.
2 Tero medo e pavor de vs todo animal da terra, toda ave do cu, tudo o que se move sobre a terra e todos os peixes do mar; nas vossas mos so entregues.
3 Tudo quanto se move e vive vos servir de mantimento, bem como a erva verde; tudo vos tenho dado.
4 A carne, porm, com sua vida, isto , com seu sangue, no comereis.
5 Certamente requererei o vosso sangue, o sangue das vossas vidas; de todo animal o requererei; como tambm do homem, sim, da mo do irmo de cada um requererei a vida do homem.
6 Quem derramar sangue de homem, pelo homem ter o seu sangue derramado; porque Deus fez o homem sua imagem.
7 Mas vs frutificai, e multiplicai-vos; povoai abundantemente a terra, e multiplicai-vos nela.
8 Disse tambm Deus a No, e a seus filhos com ele:
9 Eis que eu estabeleo o meu pacto convosco e com a vossa descendncia depois de vs,
10 e com todo ser vivente que convosco est: com as aves, com o gado e com todo animal da terra; com todos os que saram da arca, sim, com todo animal da terra.
11 Sim, estabeleo o meu pacto convosco; no ser mais destruda toda a carne pelas guas do dilvio; e no haver mais dilvio, para destruir a terra.
12 E disse Deus: Este o sinal do pacto que firmo entre mim e vs e todo ser vivente que est convosco, por geraes perptuas:
13 O meu arco tenho posto nas nuvens, e ele ser por sinal de haver um pacto entre mim e a terra.
14 E acontecer que, quando eu trouxer nuvens sobre a terra, e aparecer o arco nas nuvens,
15 ento me lembrarei do meu pacto, que est entre mim e vs e todo ser vivente de toda a carne; e as guas no se tornaro mais em dilvio para destruir toda a carne.
16 O arco estar nas nuvens, e olharei para ele a fim de me lembrar do pacto perptuo entre Deus e todo ser vivente de toda a carne que est sobre a terra.
17 Disse Deus a No ainda: Esse o sinal do pacto que tenho estabelecido entre mim e toda a carne que est sobre a terra.
18 Ora, os filhos de No, que saram da arca, foram Sem, Co e Jaf; e Co o pai de Cana.
19 Estes trs foram os filhos de No; e destes foi povoada toda a terra.
20 E comeou No a cultivar a terra e plantou uma vinha.
21 Bebeu do vinho, e embriagou-se; e achava-se nu dentro da sua tenda.
22 E Co, pai de Cana, viu a z de seu pai, e o contou a seus dois irmos que estavam fora.
23 Ento tomaram Sem e Jaf uma capa, e puseram-na sobre os seus ombros, e andando virados para trs, cobriram a z de seu pai, tendo os rostos virados, de maneira que no viram a z de seu pai.
24 Despertado que foi No do seu vinho, soube o que seu filho mais moo lhe fizera;
25 e disse: Maldito seja Cana; servo dos servos ser de seus irmos.
26 Disse mais: Bendito seja o Senhor, o Deus de Sem; e seja-lhe Cana por servo.
27 Alargue Deus a Jaf, e habite Jaf nas tendas de Sem; e seja-lhe Cana por servo.
28 Viveu No, depois do dilvio, trezentos e cinqenta anos.
29 E foram todos os dias de No novecentos e cinqenta anos; e morreu.
01-Gnesis Captulo : 10
1 Estas, pois, so as geraes dos filhos de No: Sem, Co e Jaf, aos quais nasceram filhos depois do dilvio.
2 Os filhos de Jaf: Gomer, Magogue, Madai, Jav, Tubal, Meseque e Tiras.
3 Os filhos de Gomer: Asquenaz, Rifate e Togarma.
4 Os filhos de Jav: Elis, Trsis, Quitim e Dodanim.
5 Por estes foram repartidas as ilhas das naes nas suas terras, cada qual segundo a sua lngua, segundo as suas famlias, entre as suas naes.
6 Os filhos de Co: Cuche, Mizraim, Pute e Cana.
7 Os filhos de Cuche: Seba, Havil, Sabt, Raam e Sabtec; e os filhos de Raam so Seb e Ded.
8 Cuche tambm gerou a Ninrode, o qual foi o primeiro a ser poderoso na terra.
9 Ele era poderoso caador diante do Senhor; pelo que se diz: Como Ninrode, poderoso caador diante do Senhor.
10 O princpio do seu reino foi l, Ereque, Acade e Caln, na terra de Sinar.
11 Desta mesma terra saiu ele para a Assria e edificou Nnive, Reobote-Ir, Cal,
12 e Rsem entre Nnive e Cal (esta a grande cidade).
13 Mizraim gerou a Ludim, Anamim, Leabim, Naftuim,
14 Patrusim, Casluim (donde saram os filisteus) e Caftorim.
15 Cana gerou a Sidom, seu primognito, e Hete,
16 e ao jebuseu, o amorreu, o girgaseu,
17 o heveu, o arqueu, o sineu,
18 o arvadeu, o zemareu e o hamateu. Depois se espalharam as famlias dos cananeus.
19 Foi o termo dos cananeus desde Sidom, em direo a Gerar, at Gaza; e da em direo a Sodoma, Gomorra, Adm e Zeboim, at Lasa.
20 So esses os filhos de Co segundo as suas famlias, segundo as suas lnguas, em suas terras, em suas naes.
21 A Sem, que foi o pai de todos os filhos de Eber e irmo mais velho de Jaf, a ele tambm nasceram filhos.
22 Os filhos de Sem foram: Elo, Assur, Arfaxade, Lude e Aro.
23 Os filhos de Aro: Uz, Hul, Geter e Ms.
24 Arfaxade gerou a Sel; e Sel gerou a Eber.
25 A Eber nasceram dois filhos: o nome de um foi Pelegue, porque nos seus dias foi dividida a terra; e o nome de seu irmo foi Joct.
26 Joct gerou a Almod, Selefe, Hazarmav, Jer,
27 Hadoro, Usal, Dicla,
28 Obal, Abimael, Seb,
29 Ofir, Havil e Jobabe: todos esses foram filhos de Joct.
30 E foi a sua habitao desde Messa at Sefar, montanha do oriente.
31 Esses so os filhos de Sem segundo as suas famlias, segundo as suas lnguas, em suas terras, segundo as suas naes.
32 Essas so as famlias dos filhos de No segundo as suas geraes, em suas naes; e delas foram disseminadas as naes na terra depois do dilvio.
01-Gnesis Captulo : 11
1 Ora, toda a terra tinha uma s lngua e um s idioma.
2 E deslocando-se os homens para o oriente, acharam um vale na terra de Sinar; e ali habitaram.
3 Disseram uns aos outros: Eia pois, faamos tijolos, e queimemo-los bem. Os tijolos lhes serviram de pedras e o betume de argamassa.
4 Disseram mais: Eia, edifiquemos para ns uma cidade e uma torre cujo cume toque no cu, e faamo-nos um nome, para que no sejamos espalhados sobre a face de toda a terra.
5 Ento desceu o Senhor para ver a cidade e a torre que os filhos dos homens edificavam;
6 e disse: Eis que o povo um e todos tm uma s lngua; e isto o que comeam a fazer; agora no haver restrio para tudo o que eles intentarem fazer.
7 Eia, desamos, e confundamos ali a sua linguagem, para que no entenda um a lngua do outro.
8 Assim o Senhor os espalhou dali sobre a face de toda a terra; e cessaram de edificar a cidade.
9 Por isso se chamou o seu nome l, porquanto ali confundiu o Senhor a linguagem de toda a terra, e dali o Senhor os espalhou sobre a face de toda a terra.
10 Estas so as geraes de Sem. Tinha ele cem anos, quando gerou a Arfaxade, dois anos depois do dilvio.
11 E viveu Sem, depois que gerou a Arfaxade, quinhentos anos; e gerou filhos e filhas.
12 Arfaxade viveu trinta e cinco anos, e gerou a Sel.
13 Viveu Arfaxade, depois que gerou a Sel, quatrocentos e trs anos; e gerou filhos e filhas.
14 Sel viveu trinta anos, e gerou a Eber.
15 Viveu Sel, depois que gerou a Eber, quatrocentos e trs anos; e gerou filhos e filhas.
16 Eber viveu trinta e quatro anos, e gerou a Pelegue.
17 Viveu Eber, depois que gerou a Pelegue, quatrocentos e trinta anos; e gerou filhos e filhas.
18 Pelegue viveu trinta anos, e gerou a Re.
19 Viveu Pelegue, depois que gerou a Re, duzentos e nove anos; e gerou filhos e filhas.
20 Re viveu trinta e dois anos, e gerou a Serugue.
21 Viveu Re, depois que gerou a Serugue, duzentos e sete anos; e gerou filhos e filhas.
22 Serugue viveu trinta anos, e gerou a Naor.
23 Viveu Serugue, depois que gerou a Naor, duzentos anos; e gerou filhos e filhas.
24 Naor viveu vinte e nove anos, e gerou a Tera.
25 Viveu Naor, depois que gerou a Tera, cento e dezenove anos; e gerou filhos e filhas.
26 Tera viveu setenta anos, e gerou a Abro, a Naor e a Har.
27 Estas so as geraes de Tera: Tera gerou a Abro, a Naor e a Har; e Har gerou a L.
28 Har morreu antes de seu pai Tera, na terra do seu nascimento, em Ur dos Caldeus.
29 Abro e Naor tomaram mulheres para si: o nome da mulher de Abro era Sarai, e o nome da mulher do Naor era Milca, filha de Har, que foi pai de Milca e de Isc.
30 Sarai era estril; no tinha filhos.
31 Tomou Tera a Abro seu filho, e a L filho de Har, filho de seu filho, e a Sarai sua nora, mulher de seu filho Abro, e saiu com eles de Ur dos Caldeus, a fim de ir para a terra de Cana; e vieram at Har, e ali habitaram.
32 Foram os dias de Tera duzentos e cinco anos; e morreu Tera em Har.
01-Gnesis Captulo : 12
1 Ora, o Senhor disse a Abro: Sai-te da tua terra, da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei.
2 Eu farei de ti uma grande nao; abenoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome; e tu, s uma bno.
3 Abenoarei aos que te abenoarem, e amaldioarei quele que te amaldioar; e em ti sero benditas todas as famlias da terra.
4 Partiu, pois Abro, como o Senhor lhe ordenara, e L foi com ele. Tinha Abro setenta e cinco anos quando saiu de Har.
5 Abro levou consigo a Sarai, sua mulher, e a L, filho de seu irmo, e todos os bens que haviam adquirido, e as almas que lhes acresceram em Har; e saram a fim de irem terra de Cana; e terra de Cana chegaram.
6 Passou Abro pela terra at o lugar de Siqum, at o carvalho de Mor. Nesse tempo estavam os cananeus na terra.
7 Apareceu, porm, o Senhor a Abro, e disse: tua semente darei esta terra. Abro, pois, edificou ali um altar ao Senhor, que lhe aparecera.
8 Ento passou dali para o monte ao oriente de Betel, e armou a sua tenda, ficando-lhe Betel ao ocidente, e Ai ao oriente; tambm ali edificou um altar ao Senhor, e invocou o nome do Senhor.
9 Depois continuou Abro o seu caminho, seguindo ainda para o sul.
10 Ora, havia fome naquela terra; Abro, pois, desceu ao Egito, para peregrinar ali, porquanto era grande a fome na terra.
11 Quando ele estava prestes a entrar no Egito, disse a Sarai, sua mulher: Ora, bem sei que s mulher formosa vista;
12 e acontecer que, quando os egpcios te virem, diro: Esta mulher dele. E me mataro a mim, mas a ti te guardaro em vida.
13 Dize, peo-te, que s minha irm, para que me v bem por tua causa, e que viva a minha alma em ateno a ti.
14 E aconteceu que, entrando Abro no Egito, viram os egpcios que a mulher era mui formosa.
15 At os prncipes de Fara a viram e gabaram-na diante dele; e foi levada a mulher para a casa de Fara.
16 E ele tratou bem a Abro por causa dela; e este veio a ter ovelhas, bois e jumentos, servos e servas, jumentas e camelos.
17 Feriu, porm, o Senhor a Fara e a sua casa com grandes pragas, por causa de Sarai, mulher de Abro.
18 Ento chamou Fara a Abro, e disse: Que isto que me fizeste? por que no me disseste que ela era tua mulher?
19 Por que disseste: E minha irm? de maneira que a tomei para ser minha mulher. Agora, pois, eis aqui tua mulher; toma-a e vai-te.
20 E Fara deu ordens aos seus guardas a respeito dele, os quais o despediram a ele, e a sua mulher, e a tudo o que tinha.
01-Gnesis Captulo : 13
1 Subiu, pois, Abro do Egito para o Negebe, levando sua mulher e tudo o que tinha, e L o acompanhava.
2 Abro era muito rico em gado, em prata e em ouro.
3 Nas suas jornadas subiu do Negebe para Betel, at o lugar onde outrora estivera a sua tenda, entre Betel e Ai,
4 at o lugar do altar, que dantes ali fizera; e ali invocou Abro o nome do Senhor.
5 E tambm L, que ia com Abro, tinha rebanhos, gado e tendas.
6 Ora, a terra no podia sustent-los, para eles habitarem juntos; porque os seus bens eram muitos; de modo que no podiam habitar juntos.
7 Pelo que houve contenda entre os pastores do gado de Abro, e os pastores do gado de L. E nesse tempo os cananeus e os perizeus habitavam na terra.
8 Disse, pois, Abro a L: Ora, no haja contenda entre mim e ti, e entre os meus pastores e os teus pastores, porque somos irmos.
9 Porventura no est toda a terra diante de ti? Rogo-te que te apartes de mim. Se tu escolheres a esquerda, irei para a direita; e se a direita escolheres, irei eu para a esquerda.
10 Ento L levantou os olhos, e viu toda a plancie do Jordo, que era toda bem regada (antes de haver o Senhor destrudo Sodoma e Gomorra), e era como o jardim do Senhor, como a terra do Egito, at chegar a Zoar.
11 E L escolheu para si toda a plancie do Jordo, e partiu para o oriente; assim se apartaram um do outro.
12 Habitou Abro na terra de Cana, e L habitou nas cidades da plancie, e foi armando as suas tendas at chegar a Sodoma.
13 Ora, os homens de Sodoma eram maus e grandes pecadores contra o Senhor.
14 E disse o Senhor a Abro, depois que L se apartou dele: Levanta agora os olhos, e olha desde o lugar onde ests, para o norte, para o sul, para o oriente e para o oriente;
15 porque toda esta terra que vs, te hei de dar a ti, e tua descendncia, para sempre.
16 E farei a tua descendncia como o p da terra; de maneira que se puder ser contado o p da terra, ento tambm poder ser contada a tua descendncia.
17 Levanta-te, percorre esta terra, no seu comprimento e na sua largura; porque a darei a ti.
18 Ento mudou Abro as suas tendas, e foi habitar junto dos carvalhos de Manre, em Hebrom; e ali edificou um altar ao Senhor.
01-Gnesis Captulo : 14
1 Aconteceu nos dias de Anrafel, rei de Sinar, Arioque, rei de Elasar, Quedorlaomer, rei de Elo, e Tidal, rei de Goiim,
2 que estes fizeram guerra a Bera, rei de Sodoma, a Birsa, rei de Gomorra, a Sinabe, rei de Adm, a Semeber, rei de Zeboim, e ao rei de Bel (esta Zoar).
3 Todos estes se ajuntaram no vale de Sidim (que o Mar Salgado).
4 Doze anos haviam servido a Quedorlaomer, mas ao dcimo terceiro ano rebelaram-se.
5 Por isso, ao dcimo quarto ano veio Quedorlaomer, e os reis que estavam com ele, e feriram aos refains em Asterote-Carnaim, aos zuzins em Ho, aos emins em Sav-Quiriataim,
6 e aos horeus no seu monte Seir, at El-Par, que est junto ao deserto.
7 Depois voltaram e vieram a En-Mispate (que Cades), e feriram toda a terra dos amalequitas, e tambm dos amorreus, que habitavam em Hazazom-Tamar.
8 Ento saram os reis de Sodoma, de Gomorra, de Adm, de Zeboim e de Bel (esta Zoar), e ordenaram batalha contra eles no vale de Sidim,
9 contra Quedorlaomer, rei de Elo, Tidal, rei de Goiim, Anrafel, rei de Sinar, e Arioque, rei de Elasar; quatro reis contra cinco.
10 Ora, o vale de Sidim estava cheio de poos de betume; e fugiram os reis de Sodoma e de Gomorra, e caram ali; e os restantes fugiram para o monte.
11 Tomaram, ento, todos os bens de Sodoma e de Gomorra com todo o seu mantimento, e se foram.
12 Tomaram tambm a L, filho do irmo de Abro, que habitava em Sodoma, e os bens dele, e partiram.
13 Ento veio um que escapara, e o contou a Abro, o hebreu. Ora, este habitava junto dos carvalhos de Manre, o amorreu, irmo de Escol e de Aner; estes eram aliados de Abro.
14 Ouvindo, pois, Abro que seu irmo estava preso, levou os seus homens treinados, nascidos em sua casa, em nmero de trezentos e dezoito, e perseguiu os reis at D.
15 Dividiu-se contra eles de noite, ele e os seus servos, e os feriu, perseguindo-os at Hob, que fica esquerda de Damasco.
16 Assim tornou a trazer todos os bens, e tornou a trazer tambm a L, seu irmo, e os bens dele, e tambm as mulheres e o povo.
17 Depois que Abro voltou de ferir a Quedorlaomer e aos reis que estavam com ele, saiu-lhe ao encontro o rei de Sodoma, no vale de Sav (que o vale do rei).
18 Ora, Melquisedeque, rei de Salm, trouxe po e vinho; pois era sacerdote do Deus Altssimo;
19 e abenoou a Abro, dizendo: bendito seja Abro pelo Deus Altssimo, o Criador dos cus e da terra!
20 E bendito seja o Deus Altssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mos! E Abro deu-lhe o dzimo de tudo.
21 Ento o rei de Sodoma disse a Abro: D-me a mim as pessoas; e os bens toma-os para ti.
22 Abro, porm, respondeu ao rei de Sodoma: Levanto minha mo ao Senhor, o Deus Altssimo, o Criador dos cus e da terra,
23 jurando que no tomarei coisa alguma de tudo o que teu, nem um fio, nem uma correia de sapato, para que no digas: Eu enriqueci a Abro;
24 salvo to somente o que os mancebos comeram, e a parte que toca aos homens Aner, Escol e Manre, que foram comigo; que estes tomem a sua parte.
01-Gnesis Captulo : 15
1 Depois destas coisas veio a palavra do Senhor a Abro numa viso, dizendo: No temas, Abro; eu sou o teu escudo, o teu galardo ser grandssimo.
2 Ento disse Abro: Senhor Deus, que me dars, visto que morro sem filhos, e o herdeiro de minha casa o damasceno Elizer?
3 Disse mais Abro: A mim no me tens dado filhos; eis que um nascido na minha casa ser o meu herdeiro.
4 Ao que lhe veio a palavra do Senhor, dizendo: Este no ser o teu herdeiro; mas aquele que sair das tuas entranhas, esse ser o teu herdeiro.
5 Ento o levou para fora, e disse: Olha agora para o cu, e conta as estrelas, se as podes contar; e acrescentou-lhe: Assim ser a tua descendncia.
6 E creu Abro no Senhor, e o Senhor imputou-lhe isto como justia.
7 Disse-lhe mais: Eu sou o Senhor, que te tirei de Ur dos caldeus, para te dar esta terra em herana.
8 Ao que lhe perguntou Abro: Senhor Deus, como saberei que hei de herd-la?
9 Respondeu-lhe: Toma-me uma novilha de trs anos, uma cabra de trs anos, um carneiro de trs anos, uma rola e um pombinho.
10 Ele, pois, lhe trouxe todos estes animais, partiu-os pelo meio, e ps cada parte deles em frente da outra; mas as aves no partiu.
11 E as aves de rapina desciam sobre os cadveres; Abro, porm, as enxotava.
12 Ora, ao pr do sol, caiu um profundo sono sobre Abro; e eis que lhe sobrevieram grande pavor e densas trevas.
13 Ento disse o Senhor a Abro: Sabe com certeza que a tua descendncia ser peregrina em terra alheia, e ser reduzida escravido, e ser afligida por quatrocentos anos;
14 sabe tambm que eu julgarei a nao a qual ela tem de servir; e depois sair com muitos bens.
15 Tu, porm, irs em paz para teus pais; em boa velhice sers sepultado.
16 Na quarta gerao, porm, voltaro para c; porque a medida da iniqidade dos amorreus no est ainda cheia.
17 Quando o sol j estava posto, e era escuro, eis um fogo fumegante e uma tocha de fogo, que passaram por entre aquelas metades.
18 Naquele mesmo dia fez o Senhor um pacto com Abro, dizendo: tua descendncia tenho dado esta terra, desde o rio do Egito at o grande rio Eufrates;
19 e o queneu, o quenizeu, o cadmoneu,
20 o heteu, o perizeu, os refains,
21 o amorreu, o cananeu, o girgaseu e o jebuseu.
01-Gnesis Captulo : 16
1 Ora, Sarai, mulher de Abro, no lhe dava filhos. Tinha ela uma serva egpcia, que se chamava Agar.
2 Disse Sarai a Abro: Eis que o Senhor me tem impedido de ter filhos; toma, pois, a minha serva; porventura terei filhos por meio dela. E ouviu Abro a voz de Sarai.
3 Assim Sarai, mulher de Abro, tomou a Agar a egpcia, sua serva, e a deu por mulher a Abro seu marido, depois de Abro ter habitado dez anos na terra de Cana.
4 E ele conheceu a Agar, e ela concebeu; e vendo ela que concebera, foi sua senhora desprezada aos seus olhos.
5 Ento disse Sarai a Abro: Sobre ti seja a afronta que me dirigida a mim; pus a minha serva em teu regao; vendo ela agora que concebeu, sou desprezada aos seus olhos; o Senhor julgue entre mim e ti.
6 Ao que disse Abro a Sarai: Eis que tua serva est nas tuas mos; faze-lhe como bem te parecer. E Sarai maltratou-a, e ela fugiu de sua face.
7 Ento o anjo do Senhor, achando-a junto a uma fonte no deserto, a fonte que est no caminho de Sur,
8 perguntou-lhe: Agar, serva de Sarai, donde vieste, e para onde vais? Respondeu ela: Da presena de Sarai, minha senhora, vou fugindo.
9 Disse-lhe o anjo do Senhor: Torna-te para tua senhora, e humilha-te debaixo das suas mos.
10 Disse-lhe mais o anjo do Senhor: Multiplicarei sobremaneira a tua descendncia, de modo que no ser contada, por numerosa que ser.
11 Disse-lhe ainda o anjo do Senhor: Eis que concebeste, e ters um filho, a quem chamars Ismael; porquanto o Senhor ouviu a tua aflio.
12 Ele ser como um jumento selvagem entre os homens; a sua mo ser contra todos, e a mo de todos contra ele; e habitar diante da face de todos os seus irmos.
13 E ela chamou, o nome do Senhor, que com ela falava, El-Ri; pois disse: No tenho eu tambm olhado neste lugar para aquele que me v?
14 Pelo que se chamou aquele poo Beer-Laai-Ri; ele est entre Cades e Berede.
15 E Agar deu um filho a Abro; e Abro ps o nome de Ismael no seu filho que tivera de Agar.
16 Ora, tinha Abro oitenta e seis anos, quando Agar lhe deu Ismael.
01-Gnesis Captulo : 17
1 Quando Abro tinha noventa e nove anos, apareceu-lhe o Senhor e lhe disse: Eu sou o Deus Todo-Poderoso; anda em minha presena, e s perfeito;
2 e firmarei o meu pacto contigo, e sobremaneira te multiplicarei.
3 Ao que Abro se prostrou com o rosto em terra, e Deus falou-lhe, dizendo:
4 Quanto a mim, eis que o meu pacto contigo, e sers pai de muitas naes;
5 no mais sers chamado Abro, mas Abrao ser o teu nome; pois por pai de muitas naes te hei posto;
6 far-te-ei frutificar sobremaneira, e de ti farei naes, e reis sairo de ti;
7 estabelecerei o meu pacto contigo e com a tua descendncia depois de ti em suas geraes, como pacto perptuo, para te ser por Deus a ti e tua descendncia depois de ti.
8 Dar-te-ei a ti e tua descendncia depois de ti a terra de tuas peregrinaes, toda a terra de Cana, em perptua possesso; e serei o seu Deus.
9 Disse mais Deus a Abrao: Ora, quanto a ti, guardars o meu pacto, tu e a tua descendncia depois de ti, nas suas geraes.
10 Este o meu pacto, que guardareis entre mim e vs, e a tua descendncia depois de ti: todo varo dentre vs ser circuncidado.
11 Circuncidar-vos-eis na carne do prepcio; e isto ser por sinal de pacto entre mim e vs.
12 idade de oito dias, todo varo dentre vs ser circuncidado, por todas as vossas geraes, tanto o nascido em casa como o comprado por dinheiro a qualquer estrangeiro, que no for da tua linhagem.
13 Com efeito ser circuncidado o nascido em tua casa, e o comprado por teu dinheiro; assim estar o meu pacto na vossa carne como pacto perptuo.
14 Mas o incircunciso, que no se circuncidar na carne do prepcio, essa alma ser extirpada do seu povo; violou o meu pacto.
15 Disse Deus a Abrao: Quanto a Sarai, tua, mulher, no lhe chamars mais Sarai, porem Sara ser o seu nome.
16 Abeno-la-ei, e tambm dela te darei um filho; sim, abeno-la-ei, e ela ser me de naes; reis de povos sairo dela.
17 Ao que se prostrou Abrao com o rosto em terra, e riu-se, e disse no seu corao: A um homem de cem anos h de nascer um filho? Dar luz Sara, que tem noventa anos?
18 Depois disse Abrao a Deus: Oxal que viva Ismael diante de ti!
19 E Deus lhe respondeu: Na verdade, Sara, tua mulher, te dar luz um filho, e lhe chamars Isaque; com ele estabelecerei o meu pacto como pacto perptuo para a sua descendncia depois dele.
20 E quanto a Ismael, tambm te tenho ouvido; eis que o tenho abenoado, e f-lo-ei frutificar, e multiplic-lo-ei grandissimamente; doze prncipes gerar, e dele farei uma grande nao.
21 O meu pacto, porm, estabelecerei com Isaque, que Sara te dar luz neste tempo determinado, no ano vindouro.
22 Ao acabar de falar com Abrao, subiu Deus diante dele.
23 Logo tomou Abrao a seu filho Ismael, e a todos os nascidos na sua casa e a todos os comprados por seu dinheiro, todo varo entre os da casa de Abrao, e lhes circuncidou a carne do prepcio, naquele mesmo dia, como Deus lhe ordenara.
24 Abrao tinha noventa e nove anos, quando lhe foi circuncidada a carne do prepcio;
25 E Ismael, seu filho, tinha treze anos, quando lhe foi circuncidada a carne do prepcio.
26 No mesmo dia foram circuncidados Abrao e seu filho Ismael.
27 E todos os homens da sua casa, assim os nascidos em casa, como os comprados por dinheiro ao estrangeiro, foram circuncidados com ele.
01-Gnesis Captulo : 18
1 Depois apareceu o Senhor a Abrao junto aos carvalhos de Manre, estando ele sentado porta da tenda, no maior calor do dia.
2 Levantando Abrao os olhos, olhou e eis trs homens de p em frente dele. Quando os viu, correu da porta da tenda ao seu encontro, e prostrou-se em terra,
3 e disse: Meu Senhor, se agora tenho achado graa aos teus olhos, rogo-te que no passes de teu servo.
4 Eia, traga-se um pouco d'gua, e lavai os ps e recostai-vos debaixo da rvore;
5 e trarei um bocado de po; refazei as vossas foras, e depois passareis adiante; porquanto por isso chegastes ate o vosso servo. Responderam-lhe: Faze assim como disseste.
6 Abrao, pois, apressou-se em ir ter com Sara na tenda, e disse-lhe: Amassa depressa trs medidas de flor de farinha e faze bolos.
7 Em seguida correu ao gado, apanhou um bezerro tenro e bom e deu-o ao criado, que se apressou em prepar-lo.
8 Ento tomou queijo fresco, e leite, e o bezerro que mandara preparar, e ps tudo diante deles, ficando em p ao lado deles debaixo da rvore, enquanto comiam.
9 Perguntaram-lhe eles: Onde est Sara, tua mulher? Ele respondeu: Est ali na tenda.
10 E um deles lhe disse: certamente tornarei a ti no ano vindouro; e eis que Sara tua mulher ter um filho. E Sara estava escutando porta da tenda, que estava atrs dele.
11 Ora, Abrao e Sara eram j velhos, e avanados em idade; e a Sara havia cessado o incmodo das mulheres.
12 Sara ento riu-se consigo, dizendo: Terei ainda deleite depois de haver envelhecido, sendo tambm o meu senhor j velho?
13 Perguntou o Senhor a Abrao: Por que se riu Sara, dizendo: verdade que eu, que sou velha, darei luz um filho?
14 H, porventura, alguma coisa difcil ao Senhor? Ao tempo determinado, no ano vindouro, tornarei a ti, e Sara ter um filho.
15 Ento Sara negou, dizendo: No me ri; porquanto ela teve medo. Ao que ele respondeu: No assim; porque te riste.
16 E levantaram-se aqueles homens dali e olharam para a banda de Sodoma; e Abrao ia com eles, para os encaminhar.
17 E disse o Senhor: Ocultarei eu a Abrao o que fao, 18 visto que Abrao certamente vir a ser uma grande e poderosa nao, e por meio dele sero benditas todas as naes da terra?
19 Porque eu o tenho escolhido, a fim de que ele ordene a seus filhos e a sua casa depois dele, para que guardem o caminho do Senhor, para praticarem retido e justia; a fim de que o Senhor faa vir sobre Abrao o que a respeito dele tem falado.
20 Disse mais o Senhor: Porquanto o clamor de Sodoma e Gomorra se tem multiplicado, e porquanto o seu pecado se tem agravado muito,
21 descerei agora, e verei se em tudo tm praticado segundo o seu clamor, que a mim tem chegado; e se no, sab-lo-ei.
22 Ento os homens, virando os seus rostos dali, foram-se em direo a Sodoma; mas Abrao ficou ainda em p diante do Senhor.
23 E chegando-se Abrao, disse: Destruirs tambm o justo com o mpio?
24 Se porventura houver cinqenta justos na cidade, destruirs e no poupars o lugar por causa dos cinqenta justos que ali esto?
25 Longe de ti que faas tal coisa, que mates o justo com o mpio, de modo que o justo seja como o mpio; esteja isto longe de ti. No far justia o juiz de toda a terra?
26 Ento disse o Senhor: Se eu achar em Sodoma cinqenta justos dentro da cidade, pouparei o lugar todo por causa deles.
26 Se porventura de cinqenta justos faltarem cinco, destruirs toda a cidade por causa dos cinco? Respondeu ele: No a destruirei, se eu achar ali quarenta e cinco.
27 Tornou-lhe Abrao, dizendo: Eis que agora me atrevi a falar ao Senhor, ainda que sou p e cinza.
29 Continuou Abrao ainda a falar-lhe, e disse: Se porventura se acharem ali quarenta? Mais uma vez assentiu: Por causa dos quarenta no o farei.
30 Disse Abrao: Ora, no se ire o Senhor, se eu ainda falar. Se porventura se acharem ali trinta? De novo assentiu: No o farei, se achar ali trinta.
31 Tornou Abrao: Eis que outra vez me a atrevi a falar ao Senhor. Se porventura se acharem ali vinte? Respondeu-lhe: Por causa dos vinte no a destruirei.
32 Disse ainda Abrao: Ora, no se ire o Senhor, pois s mais esta vez falarei. Se porventura se acharem ali dez? Ainda assentiu o Senhor: Por causa dos dez no a destruirei.
33 E foi-se o Senhor, logo que acabou de falar com Abrao; e Abrao voltou para o seu lugar.
01-Gnesis Captulo : 18
1 Depois apareceu o Senhor a Abrao junto aos carvalhos de Manre, estando ele sentado porta da tenda, no maior calor do dia.
2 Levantando Abrao os olhos, olhou e eis trs homens de p em frente dele. Quando os viu, correu da porta da tenda ao seu encontro, e prostrou-se em terra,
3 e disse: Meu Senhor, se agora tenho achado graa aos teus olhos, rogo-te que no passes de teu servo.
4 Eia, traga-se um pouco d'gua, e lavai os ps e recostai-vos debaixo da rvore;
5 e trarei um bocado de po; refazei as vossas foras, e depois passareis adiante; porquanto por isso chegastes ate o vosso servo. Responderam-lhe: Faze assim como disseste.
6 Abrao, pois, apressou-se em ir ter com Sara na tenda, e disse-lhe: Amassa depressa trs medidas de flor de farinha e faze bolos.
7 Em seguida correu ao gado, apanhou um bezerro tenro e bom e deu-o ao criado, que se apressou em prepar-lo.
8 Ento tomou queijo fresco, e leite, e o bezerro que mandara preparar, e ps tudo diante deles, ficando em p ao lado deles debaixo da rvore, enquanto comiam.
9 Perguntaram-lhe eles: Onde est Sara, tua mulher? Ele respondeu: Est ali na tenda.
10 E um deles lhe disse: certamente tornarei a ti no ano vindouro; e eis que Sara tua mulher ter um filho. E Sara estava escutando porta da tenda, que estava atrs dele.
11 Ora, Abrao e Sara eram j velhos, e avanados em idade; e a Sara havia cessado o incmodo das mulheres.
12 Sara ento riu-se consigo, dizendo: Terei ainda deleite depois de haver envelhecido, sendo tambm o meu senhor j velho?
13 Perguntou o Senhor a Abrao: Por que se riu Sara, dizendo: verdade que eu, que sou velha, darei luz um filho?
14 H, porventura, alguma coisa difcil ao Senhor? Ao tempo determinado, no ano vindouro, tornarei a ti, e Sara ter um filho.
15 Ento Sara negou, dizendo: No me ri; porquanto ela teve medo. Ao que ele respondeu: No assim; porque te riste.
16 E levantaram-se aqueles homens dali e olharam para a banda de Sodoma; e Abrao ia com eles, para os encaminhar.
17 E disse o Senhor: Ocultarei eu a Abrao o que fao, 18 visto que Abrao certamente vir a ser uma grande e poderosa nao, e por meio dele sero benditas todas as naes da terra?
19 Porque eu o tenho escolhido, a fim de que ele ordene a seus filhos e a sua casa depois dele, para que guardem o caminho do Senhor, para praticarem retido e justia; a fim de que o Senhor faa vir sobre Abrao o que a respeito dele tem falado.
20 Disse mais o Senhor: Porquanto o clamor de Sodoma e Gomorra se tem multiplicado, e porquanto o seu pecado se tem agravado muito,
21 descerei agora, e verei se em tudo tm praticado segundo o seu clamor, que a mim tem chegado; e se no, sab-lo-ei.
22 Ento os homens, virando os seus rostos dali, foram-se em direo a Sodoma; mas Abrao ficou ainda em p diante do Senhor.
23 E chegando-se Abrao, disse: Destruirs tambm o justo com o mpio?
24 Se porventura houver cinqenta justos na cidade, destruirs e no poupars o lugar por causa dos cinqenta justos que ali esto?
25 Longe de ti que faas tal coisa, que mates o justo com o mpio, de modo que o justo seja como o mpio; esteja isto longe de ti. No far justia o juiz de toda a terra?
26 Ento disse o Senhor: Se eu achar em Sodoma cinqenta justos dentro da cidade, pouparei o lugar todo por causa deles.
26 Se porventura de cinqenta justos faltarem cinco, destruirs toda a cidade por causa dos cinco? Respondeu ele: No a destruirei, se eu achar ali quarenta e cinco.
27 Tornou-lhe Abrao, dizendo: Eis que agora me atrevi a falar ao Senhor, ainda que sou p e cinza.
29 Continuou Abrao ainda a falar-lhe, e disse: Se porventura se acharem ali quarenta? Mais uma vez assentiu: Por causa dos quarenta no o farei.
30 Disse Abrao: Ora, no se ire o Senhor, se eu ainda falar. Se porventura se acharem ali trinta? De novo assentiu: No o farei, se achar ali trinta.
31 Tornou Abrao: Eis que outra vez me a atrevi a falar ao Senhor. Se porventura se acharem ali vinte? Respondeu-lhe: Por causa dos vinte no a destruirei.
32 Disse ainda Abrao: Ora, no se ire o Senhor, pois s mais esta vez falarei. Se porventura se acharem ali dez? Ainda assentiu o Senhor: Por causa dos dez no a destruirei.
33 E foi-se o Senhor, logo que acabou de falar com Abrao; e Abrao voltou para o seu lugar.
01-Gnesis Captulo : 20
1 Partiu Abrao dali para a terra do Negebe, e habitou entre Cades e Sur; e peregrinou em Gerar.
2 E havendo Abrao dito de Sara, sua mulher: minha irm; enviou Abimeleque, rei de Gerar, e tomou a Sara.
3 Deus, porm, veio a Abimeleque, em sonhos, de noite, e
disse-lhe: Eis que ests para morrer por causa da mulher que tomaste; porque ela tem marido.
4 Ora, Abimeleque ainda no se havia chegado a ela: perguntou, pois: Senhor matars porventura tambm uma nao justa?
5 No me disse ele mesmo: minha irm? e ela mesma me disse: Ele meu irmo; na sinceridade do meu corao e na inocncia das minhas mos fiz isto.
6 Ao que Deus lhe respondeu em sonhos: Bem sei eu que na sinceridade do teu corao fizeste isto; e tambm eu te tenho impedido de pecar contra mim; por isso no te permiti toc-la;
7 agora, pois, restitui a mulher a seu marido, porque ele profeta, e interceder por ti, e vivers; se, porm, no lha restitures, sabe que certamente morrers, tu e tudo o que teu.
8 Levantou-se Abimeleque de manh cedo e, chamando a todos os seus servos, falou-lhes aos ouvidos todas estas palavras; e os homens temeram muito.
9 Ento chamou Abimeleque a Abrao e lhe perguntou: Que que nos fizeste? e em que pequei contra ti, para trazeres sobre mim o sobre o meu reino tamanho pecado? Tu me fizeste o que no se deve fazer.
10 Perguntou mais Abimeleque a Abrao: Com que inteno fizeste isto?
11 Respondeu Abrao: Porque pensei: Certamente no h temor de Deus neste lugar; matar-me-o por causa da minha mulher.
12 Alm disso ela realmente minha irm, filha de meu pai, ainda que no de minha me; e veio a ser minha mulher.
13 Quando Deus me fez sair errante da casa de meu pai, eu lhe disse a ela: Esta a graa que me fars: em todo lugar aonde formos, dize de mim: Ele meu irmo.
14 Ento tomou Abimeleque ovelhas e bois, e servos e servas, e os deu a Abrao; e lhe restituiu Sara, sua mulher;
15 e disse-lhe Abimeleque: Eis que a minha terra est diante de ti; habita onde bem te parecer.
16 E a Sara disse: Eis que tenho dado a teu irmo mil moedas de prata; isso te seja por vu dos olhos a todos os que esto contigo; e perante todos ests reabilitada.
17 Orou Abrao a Deus, e Deus sarou Abimeleque, e a sua mulher e as suas servas; de maneira que tiveram filhos;
18 porque o Senhor havia fechado totalmente todas as madres da casa de Abimeleque, por causa de Sara, mulher de Abrao.

01-Gnesis Captulo : 21

1 O Senhor visitou a Sara, como tinha dito, e lhe fez como havia prometido.

2 Sara concebeu, e deu a Abrao um filho na sua velhice, ao tempo determinado, de que Deus lhe falara;

3 e, Abrao ps no filho que lhe nascera, que Sara lhe dera, o nome de Isaque.

4 E Abrao circuncidou a seu filho Isaque, quando tinha oito dias, conforme Deus lhe ordenara.

5 Ora, Abrao tinha cem anos, quando lhe nasceu Isaque, seu filho.

6 Pelo que disse Sara: Deus preparou riso para mim; todo aquele que o ouvir, se rir comigo.

7 E acrescentou: Quem diria a Abrao que Sara havia de amamentar filhos? no entanto lhe dei um filho na sua velhice.

8 cresceu o menino, e foi desmamado; e Abrao fez um grande banquete no dia em que Isaque foi desmamado.

9 Ora, Sara viu brincando o filho de Agar a egpcia, que esta dera luz a Abrao.

10 Pelo que disse a Abrao: Deita fora esta serva e o seu filho; porque o filho desta serva no ser herdeiro com meu filho, com Isaque.

11 Pareceu isto bem duro aos olhos de Abrao, por causa de seu filho.

12 Deus, porm, disse a Abrao: No parea isso duro aos teus

olhos por causa do moo e por causa da tua serva; em tudo o que Sara te diz, ouve a sua voz; porque em Isaque ser chamada a tua descendncia.

13 Mas tambm do filho desta serva farei uma nao, porquanto ele da tua linhagem.

14 Ento se levantou Abrao de manh cedo e, tomando po e um odre de gua, os deu a Agar, pondo-os sobre o ombro dela; tambm lhe deu o menino e despediu-a; e ela partiu e foi andando errante pelo deserto de Beer-Seba.

15 E consumida a gua do odre, Agar deitou o menino debaixo de um dos arbustos,

16 e foi assentar-se em frente dele, a boa distncia, como a de um tiro de arco; porque dizia: Que no veja eu morrer o menino. Assim sentada em frente dele, levantou a sua voz e chorou.

17 Mas Deus ouviu a voz do menino; e o anjo de Deus, bradando a Agar desde o cu, disse-lhe: Que tens, Agar? no temas, porque Deus ouviu a voz do menino desde o lugar onde est.

18 Ergue-te, levanta o menino e toma-o pela mo, porque dele farei uma grande nao.

19 E abriu-lhe Deus os olhos, e ela viu um poo; e foi encher de gua o odre e deu de beber ao menino.

20 Deus estava com o menino, que cresceu e, morando no deserto, tornou-se flecheiro.

21 Ele habitou no deserto de Par; e sua me tomou-lhe uma mulher da terra do Egito.

22 Naquele mesmo tempo Abimeleque, com Ficol, o chefe do seu exrcito, falou a Abrao, dizendo: Deus contigo em tudo o que fazes;

23 agora pois, jura-me aqui por Deus que no te havers falsamente comigo, nem com meu filho, nem com o filho do meu filho; mas segundo a beneficncia que te fiz, me fars a mim, e terra onde peregrinaste.

24 Respondeu Abrao: Eu jurarei.

25 Abrao, porm, repreendeu a Abimeleque, por causa de um poo de gua, que os servos de Abimeleque haviam tomado fora.

26 Respondeu-lhe Abimeleque: No sei quem fez isso; nem tu mo fizeste saber, nem tampouco ouvi eu falar nisso, seno hoje.

27 Tomou, pois, Abrao ovelhas e bois, e os deu a Abimeleque; assim fizeram entre, si um pacto.

28 Ps Abrao, porm, parte sete cordeiras do rebanho.

29 E perguntou Abimeleque a Abrao: Que significam estas sete cordeiras que puseste parte?

30 Respondeu Abrao: Estas sete cordeiras recebers da minha mo para que me sirvam de testemunho de que eu cavei este poo.

31 Pelo que chamou aquele lugar Beer-Seba, porque ali os dois juraram.

32 Assim fizeram uma pacto em Beer-Seba. Depois se levantaram Abimeleque e Ficol, o chefe do seu exrcito, e tornaram para a terra dos filisteus.

33 Abrao plantou uma tamargueira em Beer-Seba, e invocou ali o nome do Senhor, o Deus eterno.

34 E peregrinou Abrao na terra dos filisteus muitos dias.

01-Gnesis Captulo : 22

1 Sucedeu, depois destas coisas, que Deus provou a Abrao, dizendo-lhe: Abrao! E este respondeu: Eis-me aqui.

2 Prosseguiu Deus: Toma agora teu filho; o teu nico filho, Isaque, a quem amas; vai terra de Mori, e oferece-o ali em holocausto sobre um dos montes que te hei de mostrar.

3 Levantou-se, pois, Abrao de manh cedo, albardou o seu jumento, e tomou consigo dois de seus moos e Isaque, seu filho; e, tendo cortado lenha para o holocausto, partiu para ir ao lugar que Deus lhe dissera.

4 Ao terceiro dia levantou Abrao os olhos, e viu o lugar de longe.

5 E disse Abrao a seus moos: Ficai-vos aqui com o jumento, e eu e o mancebo iremos at l; depois de adorarmos, voltaremos a vs.

6 Tomou, pois, Abrao a lenha do holocausto e a ps sobre Isaque, seu filho; tomou tambm na mo o fogo e o cutelo, e foram caminhando juntos.

7 Ento disse Isaque a Abrao, seu pai: Meu pai! Respondeu Abrao: Eis-me aqui, meu filho! Perguntou-lhe Isaque: Eis o fogo e a lenha, mas onde est o cordeiro para o holocausto?

8 Respondeu Abrao: Deus prover para si o cordeiro para o holocausto, meu filho. E os dois iam caminhando juntos.

9 Havendo eles chegado ao lugar que Deus lhe dissera, edificou Abrao ali o altar e ps a lenha em ordem; o amarrou, a Isaque, seu filho, e o deitou sobre o altar em cima da lenha.

10 E, estendendo a mo, pegou no cutelo para imolar a seu filho.

11 Mas o anjo do Senhor lhe bradou desde o cu, e disse: Abrao, Abrao! Ele respondeu: Eis-me aqui.

12 Ento disse o anjo: No estendas a mo sobre o mancebo, e no lhe faas nada; porquanto agora sei que temes a Deus, visto que no me negaste teu filho, o teu nico filho.

13 Nisso levantou Abrao os olhos e olhou, e eis atrs de si um carneiro embaraado pelos chifres no mato; e foi Abrao, tomou o carneiro e o ofereceu em holocausto em lugar de seu filho.

14 Pelo que chamou Abrao quele lugar Jeov-Jir; donde se diz at o dia de hoje: No monte do Senhor se prover.

15 Ento o anjo do Senhor bradou a Abrao pela segunda vez desde o cu,

16 e disse: Por mim mesmo jurei, diz o Senhor, porquanto fizeste isto, e no me negaste teu filho, o teu nico filho,

17 que deveras te abenoarei, e grandemente multiplicarei a tua descendncia, como as estrelas do cu e como a areia que est na praia do mar; e a tua descendncia possuir a porta dos seus inimigos;

18 e em tua descendncia sero benditas todas as naes da terra; porquanto obedeceste minha voz.

19 Ento voltou Abrao aos seus moos e, levantando-se, foram juntos a Beer-Seba; e Abrao habitou em Beer-Seba.

20 Depois destas coisas anunciaram a Abrao, dizendo: Eis que tambm Milca tem dado luz filhos a Naor, teu irmo:

21 Uz o seu primognito, e Buz seu irmo, e Quemuel, pai de Aro,

22 e Quesede, Hazo, Pildas, Jidlafe e Betuel.

23 E Betuel gerou a Rebeca. Esses oito deu luz Milca a Naor, irmo de Abrao.

24 E a sua concubina, que se chamava Reum, tambm deu luz a Teba, Gao, Tas e Maac.

01-Gnesis Captulo : 23

1 Ora, os anos da vida de Sara foram cento e vinte e sete.

2 E morreu Sara em Quiriate-Arba, que Hebrom, na terra de Cana; e veio Abrao lament-la e chorar por ela:

3 Depois se levantou Abrao de diante do seu morto, e falou aos filhos de Hete, dizendo:

4 Estrangeiro e peregrino sou eu entre vs; dai-me o direito de um lugar de sepultura entre vs, para que eu sepulte o meu morto, removendo-o de diante da minha face.

5 Responderam-lhe os filhos de Hete:

6 Ouve-nos, senhor; prncipe de Deus s tu entre ns; enterra o teu morto na mais escolhida de nossas sepulturas; nenhum de ns te vedar a sua sepultura, para enterrares o teu morto.

7 Ento se levantou Abrao e, inclinando-se diante do povo da terra, diante dos filhos de Hete,

8 falou-lhes, dizendo: Se de vossa vontade que eu sepulte o meu morto de diante de minha face, ouvi-me e intercedei por mim junto a Efrom, filho de Zoar,

9 para que ele me d a cova de Macpela, que possui no fim do seu campo; que ma d pelo devido preo em posse de sepulcro no meio de vs.

10 Ora, Efrom estava sentado no meio dos filhos de Hete; e respondeu Efrom, o heteu, a Abrao, aos ouvidos dos filhos de Hete, isto , de todos os que entravam pela porta da sua cidade, dizendo:

11 No, meu senhor; ouve-me. O campo te dou, tambm te dou a cova que nele est; na presena dos filhos do meu povo ta dou; sepulta o teu morto.

12 Ento Abrao se inclinou diante do povo da terra,

13 e falou a Efrom, aos ouvidos do povo da terra, dizendo: Se te agrada, peo-te que me ouas. Darei o preo do campo; toma-o de mim, e sepultarei ali o meu morto.

14 Respondeu Efrom a Abrao:

15 Meu senhor, ouve-me. Um terreno do valor de quatrocentos siclos de prata! que isto entre mim e ti? Sepulta, pois, o teu morto.

16 E Abrao ouviu a Efrom, e pesou-lhe a prata de que este tinha falado aos ouvidos dos filhos de Hete, quatrocentos siclos de prata, moeda corrente entre os mercadores.

17 Assim o campo de Efrom, que estava em Macpela, em frente de Manre, o campo e a cova que nele estava, e todo o arvoredo que havia nele, por todos os seus limites ao redor, se confirmaram

18 a Abrao em possesso na presena dos filhos de Hete, isto , de todos os que entravam pela porta da sua cidade.

19 Depois sepultou Abrao a Sara sua mulher na cova do campo de Macpela, em frente de Manre, que Hebrom, na terra de Cana.

20 Assim o campo e a cova que nele estava foram confirmados a Abrao pelos filhos de Hete em possesso de sepultura.

01-Gnesis Captulo : 24

1 Ora, Abrao era j velho e de idade avanada; e em tudo o Senhor o havia abenoado.

2 E disse Abrao ao seu servo, o mais antigo da casa, que tinha o governo sobre tudo o que possua: Pe a tua mo debaixo da minha coxa,

3 para que eu te faa jurar pelo Senhor, Deus do cu e da terra, que no tomars para meu filho mulher dentre as filhas dos cananeus, no meio dos quais eu habito;

4 mas que irs minha terra e minha parentela, e dali tomars mulher para meu filho Isaque.

5 Perguntou-lhe o servo: Se porventura a mulher no quiser seguir-me a esta terra, farei, ento, tornar teu filho terra donde saste?

6 Respondeu-lhe Abrao: Guarda-te de fazeres tornar para l meu filho.

7 O Senhor, Deus do cu, que me tirou da casa de meu pai e da terra da minha parentela, e que me falou, e que me jurou, dizendo: tua o semente darei esta terra; ele enviar o seu anjo diante de si, para que tomes de l mulher para meu filho.

8 Se a mulher, porm, no quiser seguir-te, sers livre deste meu juramento; somente no fars meu filho tornar para l.

9 Ento ps o servo a sua mo debaixo da coxa de Abrao seu senhor, e jurou-lhe sobre este negcio.

10 Tomou, pois, o servo dez dos camelos do seu senhor, porquanto todos os bens de seu senhor estavam em sua mo; e, partindo, foi para a Mesopotmia, cidade de Naor.

11 Fez ajoelhar os camelos fora da cidade, junto ao poo de gua, pela tarde, hora em que as mulheres saam a tirar gua.

12 E disse: Senhor, Deus de meu senhor Abrao, d-me hoje, peo-te, bom xito, e usa de benevolncia para com o meu senhor Abrao.

13 Eis que eu estou em p junto fonte, e as filhas dos homens desta cidade vm saindo para tirar gua;

14 faze, pois, que a donzela a quem eu disser: Abaixa o teu cntaro, peo-te, para que eu beba; e ela responder: Bebe, e tambm darei de beber aos teus camelos; seja aquela que designaste para o teu servo Isaque. Assim conhecerei que usaste de benevolncia para com o meu senhor.

15 Antes que ele acabasse de falar, eis que Rebeca, filha de Betuel, filho de Milca, mulher de Naor, irmo de Abrao, saa com o seu cntaro sobre o ombro.

16 A donzela era muito formosa vista, virgem, a quem varo no havia conhecido; ela desceu fonte, encheu o seu cntaro e subiu.

17 Ento o servo correu-lhe ao encontro, e disse: Deixa-me beber, peo-te, um pouco de gua do teu cntaro.

18 Respondeu ela: Bebe, meu senhor. Ento com presteza abaixou o seu cntaro sobre a mo e deu-lhe de beber.

19 E quando acabou de lhe dar de beber, disse: Tirarei tambm gua para os teus camelos, at que acabem de beber.

20 Tambm com presteza despejou o seu cntaro no bebedouro e, correndo outra vez ao poo, tirou gua para todos os camelos dele.

21 E o homem a contemplava atentamente, em silncio, para saber se o Senhor havia tornado prspera a sua jornada, ou no.

22 Depois que os camelos acabaram de beber, tomou o homem um pendente de ouro, de meio siclo de peso, e duas pulseiras para as mos dela, do peso de dez siclos de ouro;

23 e perguntou: De quem s filha? dize-mo, peo-te. H lugar em casa de teu pai para ns pousarmos?

24 Ela lhe respondeu: Eu sou filha de Betuel, filho de Milca, o qual ela deu a Naor.

25 Disse-lhe mais: Temos palha e forragem bastante, e lugar para pousar.

26 Ento inclinou-se o homem e adorou ao Senhor;

27 e disse: Bendito seja o Senhor Deus de meu senhor Abrao, que no retirou do meu senhor a sua benevolncia e a sua verdade; quanto a mim, o Senhor me guiou no caminho casa dos irmos de meu senhor.

28 A donzela correu, e relatou estas coisas aos da casa de sua me. 29 Ora, Rebeca tinha um irmo, cujo nome era Labo, o qual saiu correndo ao encontro daquele homem at a fonte;

30 porquanto tinha visto o pendente, e as pulseiras sobre as mos de sua irm, e ouvido as palavras de sua irm Rebeca, que dizia: Assim me falou aquele homem; e foi ter com o homem, que estava em p junto aos camelos ao lado da fonte.

31 E disse: Entra, bendito do Senhor; por que ests aqui fora? pois eu j preparei a casa, e lugar para os camelos.

32 Ento veio o homem casa, e desarreou os camelos; deram palha e forragem para os camelos e gua para lavar os ps dele e dos homens que estavam com ele.

33 Depois puseram comida diante dele. Ele, porm, disse: No comerei, at que tenha exposto a minha incumbncia. Respondeu-lhe Labo: Fala.

34 Ento disse: Eu sou o servo de Abrao.

35 O Senhor tem abenoado muito ao meu senhor, o qual se tem engrandecido; deu-lhe rebanhos e gado, prata e ouro, escravos e escravas, camelos e jumentos.

36 E Sara, a mulher do meu senhor, mesmo depois, de velha deu um filho a meu senhor; e o pai lhe deu todos os seus bens.

37 Ora, o meu senhor me fez jurar, dizendo: No tomars mulher para meu filho das filhas dos cananeus, em cuja terra habito;

38 irs, porm, casa de meu pai, e minha parentela, e tomars mulher para meu filho.

39 Ento respondi ao meu senhor: Porventura no me seguir a mulher.

40 Ao que ele me disse: O Senhor, em cuja presena tenho andado, enviar o seu anjo contigo, e prosperar o teu caminho; e da minha parentela e da casa de meu pai tomars mulher para meu filho;

41 ento sers livre do meu juramento, quando chegares minha parentela; e se no ta derem, livre sers do meu juramento.

42 E hoje cheguei fonte, e disse: Senhor, Deus de meu senhor Abrao, se que agora prosperas o meu caminho, o qual venho seguindo,

43 eis que estou junto fonte; faze, pois, que a donzela que sair para tirar gua, a quem eu disser: D-me, peo-te, de beber um pouco de gua do teu cntaro,

44 e ela me responder: Bebe tu, e tambm tirarei gua para os teus camelos; seja a mulher que o Senhor designou para o filho de meu senhor.

45 Ora, antes que eu acabasse de falar no meu corao, eis que Rebeca saa com o seu cntaro sobre o ombro, desceu fonte e tirou gua; e eu lhe disse: D-me de beber, peo-te.

46 E ela, com presteza, abaixou o seu cntaro do ombro, e disse: Bebe, e tambm darei de beber aos teus camelos; assim bebi, e ela deu tambm de beber aos camelos.

47 Ento lhe perguntei: De quem s filha? E ela disse: Filha de Betuel, filho de Naor, que Milca lhe deu. Ento eu lhe pus o pendente no nariz e as pulseiras sobre as mos;

48 e, inclinando-me, adorei e bendisse ao Senhor, Deus do meu senhor Abrao, que me havia conduzido pelo caminho direito para tomar para seu filho a filha do irmo do meu senhor.

49 Agora, pois, se vs haveis de usar de benevolncia e de verdade para com o meu senhor, declarai-mo; e se no, tambm mo declarai, para que eu v ou para a direita ou para a esquerda.

50 Ento responderam Labo e Betuel: Do Senhor procede este negcio; ns no podemos falar-te mal ou bem.

51 Eis que Rebeca est diante de ti, toma-a e vai-te; seja ela a mulher do filho de teu senhor, como tem dito o Senhor.

52 Quando o servo de Abrao ouviu as palavras deles, prostrou-se em terra diante do Senhor:

53 e tirou o servo jias de prata, e jias de ouro, e vestidos, e deu-os a Rebeca; tambm deu coisas preciosas a seu irmo e a sua me.

54 Ento comeram e beberam, ele e os homens que com ele estavam, e passaram a noite. Quando se levantaram de manh, disse o servo: Deixai-me ir a meu senhor.

55 Disseram o irmo e a me da donzela: Fique ela conosco alguns dias, pelo menos dez dias; e depois ir.

56 Ele, porm, lhes respondeu: No me detenhas, visto que o Senhor me tem prosperado o caminho; deixai-me partir, para que eu volte a meu senhor.

57 Disseram-lhe: chamaremos a donzela, e perguntaremos a ela mesma.

58 Chamaram, pois, a Rebeca, e lhe perguntaram: Irs tu com este homem; Respondeu ela: Irei.

59 Ento despediram a Rebeca, sua irm, e sua ama e ao servo de Abrao e a seus homens;

60 e abenoaram a Rebeca, e disseram-lhe: Irm nossa, s tu a me de milhares de mirades, e possua a tua descendncia a porta de seus aborrecedores!

61 Assim Rebeca se levantou com as suas moas e, montando nos camelos, seguiram o homem; e o servo, tomando a Rebeca, partiu.

62 Ora, Isaque tinha vindo do caminho de Beer-Laai-Ri; pois habitava na terra do Negebe.

63 Sara Isaque ao campo tarde, para meditar; e levantando os olhos, viu, e eis que vinham camelos.

64 Rebeca tambm levantou os olhos e, vendo a Isaque, saltou do camelo

65 e perguntou ao servo: Quem aquele homem que vem pelo campo ao nosso encontro? respondeu o servo: meu senhor. Ento ela tomou o vu e se cobriu.

66 Depois o servo contou a Isaque tudo o que fizera.

67 Isaque, pois, trouxe Rebeca para a tenda de Sara, sua me; tomou-a e ela lhe foi por mulher; e ele a amou. Assim Isaque foi consolado depois da morte de sua me.

01-Gnesis Captulo : 25

1 Ora, Abrao tomou outra mulher, que se chamava Quetura.

2 Ela lhe deu luz a Zinr, Jocs, Med, Midi, Isbaque e Su.

3 Jocs gerou a Seba e Ded. Os filhos de Ded foram Assurim, Letusim e Leumim.

4 Os filhos de Midi foram Ef, Efer, Hanoque, Abid e Eld; todos estes foram filhos de Quetura.

5 Abrao, porm, deu tudo quanto possua a Isaque;

6 no entanto aos filhos das concubinas que Abrao tinha, deu ele ddivas; e, ainda em vida, os separou de seu filho Isaque, enviando-os ao Oriente, para a terra oriental.

7 Estes, pois, so os dias dos anos da vida de Abrao, que ele viveu: cento e setenta e, cinco anos.

8 E Abrao expirou, morrendo em boa velhice, velho e cheio de dias; e foi congregado ao seu povo.

9 Ento Isaque e Ismael, seus filhos, o sepultaram na cova de Macpela, no campo de Efrom, filho de Zoar, o heteu, que estava em frente de Manre,

10 o campo que Abrao comprara aos filhos de Hete. Ali foi sepultado Abrao, e Sara, sua mulher.

11 Depois da morte de Abrao, Deus abenoou a Isaque, seu filho; e habitava Isaque junto a Beer-Laai-Ri.

12 Estas so as geraes de Ismael, filho de Abrao, que Agar, a egpcia, serva de Sara, lhe deu;

13 e estes so os nomes dos filhos de Ismael pela sua ordem, segundo as suas geraes: o primognito de Ismael era Nebaiote, depois Quedar, Abdeel, Mibso,

14 Misma, Dum, Mass,

15 Hadade, Tema, Jetur, Nafis e Quedem.

16 Estes so os filhos de Ismael, e estes so os seus nomes pelas suas vilas e pelos seus acampamentos: doze prncipes segundo as suas tribos.

17 E estes so os anos da vida de Ismael, cento e trinta e sete anos; e ele expirou e, morrendo, foi congregado ao seu povo.

18 Eles ento habitaram desde Havil at Sur, que est em frente do Egito, como quem vai em direo da Assria; assim Ismael se estabeleceu diante da face de todos os seus irmos.

19 E estas so as geraes de Isaque, filho de Abrao: Abrao gerou a Isaque;

20 e Isaque tinha quarenta anos quando tomou por mulher a Rebeca, filha de Betuel, arameu de Pad-Ar, e irm de Labo, arameu.

21 Ora, Isaque orou insistentemente ao Senhor por sua mulher, porquanto ela era estril; e o Senhor ouviu as suas oraes, e Rebeca, sua mulher, concebeu.

22 E os filhos lutavam no ventre dela; ento ela disse: Por que estou eu assim? E foi consultar ao Senhor.

23 Respondeu-lhe o Senhor: Duas naes h no teu ventre, e dois povos se dividiro das tuas estranhas, e um povo ser mais forte do que o outro povo, e o mais velho servir ao mais moo.

24 Cumpridos que foram os dias para ela dar luz, eis que havia gmeos no seu ventre.

25 Saiu o primeiro, ruivo, todo ele como um vestido de pelo; e chamaram-lhe Esa.

26 Depois saiu o seu irmo, agarrada sua mo ao calcanhar de Esa; pelo que foi chamado Jac. E Isaque tinha sessenta anos quando Rebeca os deu luz.

27 Cresceram os meninos; e Esa tornou-se perito caador, homem do campo; mas Jac, homem sossegado, que habitava em tendas.

28 Isaque amava a Esa, porque comia da sua caa; mas Rebeca amava a Jac.

29 Jac havia feito um guisado, quando Esa chegou do campo, muito cansado;

30 e disse Esa a Jac: Deixa-me, peo-te, comer desse guisado vermelho, porque estou muito cansado. Por isso se chamou Edom.

31 Respondeu Jac: Vende-me primeiro o teu direito de primogenitura.

32 Ento replicou Esa: Eis que estou a ponto e morrer; logo, para que me servir o direito de primogenitura?

33 Ao que disse Jac: Jura-me primeiro. Jurou-lhe, pois; e vendeu o seu direito de primogenitura a Jac.

34 Jac deu a Esa po e o guisado e lentilhas; e ele comeu e bebeu; e, levantando-se, seguiu seu caminho. Assim desprezou Esa o seu direito de primogenitura.



Insira o conte˙do de apoio aqui